Planejamento Tributário Não é Mais uma Opção – é Necessidade de Sobrevivência do Negócio!

Por Júlio César Zanluca – coordenador dos sites Portal de Contabilidade e Portal Tributário

Foi-se o tempo em que o planejamento tributário era coisa de empresa grande, estruturada, cercada de especialistas pagos “a peso de ouro”.

Diante da crueza da economia brasileira em 2015, com drástica queda de vendas, lucros e aumentos de tributos, é imperioso a qualquer empresário que queira manter seu negócio realizar atividades de economia tributária lícita.

Estima-se que 40% ou mais do faturamento empresarial de uma média empresa seja destinada aos cofres públicos (governos Federal, Estaduais e Municipais), com forte elevação, em 2015, sobre as atividades, especialmente exportação, serviços e comércio (aumento das alíquotas do ICMS).

Se o contribuinte pretende diminuir os seus encargos tributários, poderá fazê-lo legal ou ilegalmente. A maneira legal chama-se elisão fiscal ou economia legal (planejamento tributário) e a forma ilegal denomina-se sonegação fiscal. Obviamente que, neste artigo, estou me referindo à redução lícita de tributos.

Talvez alguém pense que “já fizemos de tudo para reduzir os impostos”, ou que “a nossa consultoria já nos informou que atingimos o limite (!) e não temos mais nada a fazer para reduzir custos…”. Para estes, lembro que planejar um menor  pagamento de tributos não é emitir ou ler relatórios, copiar o que outros fizeram nem olhar em uma única direção, é utilizar criatividade, recursos, capacidades, conhecimentos – juntando tudo isto sob o amparo legal e executando com clareza cada passo em busca do objetivo constante. Planejamento tributário não é um fim, é um meio!

Cercadas por vilões de todos os lados (os entes federativos, o aumento dos custos, dólar, inflação, juros, etc.) a empresa brasileira precisa de uma enorme dose de perseverança para prosseguir lucrando, alimentada pela prática de gestão única no mundo. Afinal, os empresários conseguiram sobreviver durante décadas com a hiperinflação no Brasil, a planos econômicos bizarros, a intervenções estatais, aos “pacotes” de aumentos de tributos e outras interferências estatais – toda esta prática acumulada faz do brasileiro o povo mais resistente do mundo às investidas estatais sobre os negócios.

Planejar tributos, em primeiro lugar, é conhecê-los. Esmiúça-los. Pesquisá-los. Compreendê-los. Conversar com consultores, contadores, outros empresários. Analisar possibilidades, determinar mudanças, repensar operações e negócios, agir proativamente.

Pensando nesta e outras necessidades, abordei em 2 obras de minha autoria, 100 Ideias Práticas de Economia Tributária e Planejamento Tributário alguns nortes. Juntamente com minha equipe profissional, lancei também o mentoreamento tributário online – uma ajuda às pequenas e médias empresas, a um custo reduzido, para criarem condições de recuperar tributos, evitarem multas e avançarem na prática de redução de custos fiscais.

Esperamos contribuir com um alento nesta hora de grande aperto e dificuldade nos negócios. Os empresários brasileiros são dinâmicos e interativos, e não podem prescindir de executar ações de redução de custos e contenção de despesas, especialmente aquelas que são “periféricas” (que agregam pouco valor ao produto final), como os tributos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s