Os Prejuízos da Responsabilidade Civil Devem ser Considerados no Preço?

Por Gilmar Duarte – artigo enviado por e-mail pelo autor em 10.08.2015

A responsabilidade civil tem causado muita dor de cabeça aos empresários. É necessário conhecer a dimensão do prejuízo, saber minimizá-lo e precificar corretamente.

Em alguns países, como os Estados Unidos da América (EUA), os pedidos de indenizações para a reparação dos danos causados são bastante comuns.

No Brasil o número ainda é baixo, embora atualmente seja mais alto do que na década anterior. À medida que os clientes conhecem o direito de exigir a indenização, a mesma deve ocorrer com maior frequência, fazendo com que os prestadores de serviços identifiquem a amplitude do prejuízo e a considerem no momento de definir o preço.

A responsabilidade civil é a reparação dos prejuízos causados, por culpa ou dolo, no desempenho de qualquer atividade empresarial.

Exemplifico para esclarecer melhor:

  • Contador: multas pela falta de entrega de obrigações ao fisco;
  • Médico: realização de procedimento danoso ao paciente;
  • Engenheiro: responsabilidade sobre edificação que apresentou defeitos;
  • Cabeleireiro: cabelos estragados ou pele manchada;
  • Lojas e supermercados: quando o veículo é furtado no estacionamento oferecido aos clientes.

A culpa ocorre quando as regras básicas do desempenho da atividade não são observadas, resultando em prejuízos por negligência, imperícia ou imprudência. Já o dolo se caracteriza pela vontade de obter resultado, mesmo sabendo que haverá prejuízos a outrem. Ambas as situações dão o direito à parte prejudicada de solicitar o reparo dos prejuízos sofridos.

Qual é a relação da responsabilidade civil com o valor do serviço? A relação é íntima, pois quanto maior a responsabilidade exigida para a execução de um serviço, maior ele poderá ser.

O funcionário que desempenha a função de caixa de uma empresa, que pode ser responsabilizado pelas diferenças, recebe uma verba adicional para tal evento, ou seja, o salário é maior. Portanto, todos os custos, inclusive o da responsabilidade civil, devem ser considerados no momento de formar o preço de venda.

É necessário conhecer o tamanho do prejuízo que poderá ocorrer, assim como acontece com a inadimplência e com as perdas com o recebimento dos clientes.

As empresas costumam analisar as perdas com os clientes nos últimos anos e transformá-las num percentual. Também consideram as perspectivas do futuro, especialmente em função do cenário econômico. Este percentual, que normalmente se estabelece entre 0,5% e 2%, é aplicado no momento de definir o preço de venda do serviço ou produto.

Para conhecer o percentual do prejuízo com a responsabilidade civil sobre o faturamento, primeiramente apure o montante do prejuízo com a indenização de clientes, por exemplo, nos últimos dois anos, e divida pelo faturamento bruto neste mesmo período.

Com esta obra o pequeno e médio empresário terá condições de compreender a importância da precificação correta para a sobrevivência de qualquer organização e comprovará que a mesma é menos complexa do que parece, sentindo-se motivado a implantá-la na sua empresa prestadora de serviços!Totalmente atualizada e com linguagem acessível! Como Ganhar Dinheiro na Prestação de Serviços

Mais informações – valorize seu serviço e alavanque seus negócios!

Pague em até 6x sem juros no cartão de crédito!

ComprarClique para baixar uma amostra!

Agora faça o exercício da análise perspectiva de futuro considerando que a legislação aumentou as penalidades por erros (multas) e os clientes têm, cada vez mais, exigido a indenização. É este percentual final que deve ser aplicado para formar o preço de venda dos serviços ou produtos.

É possível minimizar este custo com a adoção de algumas medidas:

  • Contratar seguro de responsabilidade civil;
  • Fazer contrato por escrito determinando a responsabilidade de cada um: fornecedor, clientes, parceiros etc.
  • Treinamentos dos colaboradores;
  • Excelência no atendimento ao cliente diante de fatos que possam culminar em indenizações.

O maior número de informações será útil para fazer o cálculo preciso do valor do serviço, disponível nos dois livros que escrevi sobre a formação do preço de venda dos serviços.

Boa precificação!

Gilmar Duarte é contador, diretor do Grupo Dygran, palestrante, autor dos livros “Honorários Contábeis” e “Como ganhar dinheiro na prestação de serviços” e membro da Copsec do Sescap/PR.

Atenção: O autor aceita sugestões para aprimorar o artigo, no entanto somente poderá ser publicado com as modificações se houver a prévia concordância do autor.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s